sábado, 25 de setembro de 2010

Espelhos


Sou todo abismo
Sou eu todo, Mundo
faço-me à medida que te conheço,
Com o outro sou
progresso, evolução e o amanhã
sou de estilo camaleónico, habituo-me
a ti com a maior das
facilidades. Ainda tu não existes já sou
como tu, já tu morreste
terei sido como tu.
Vem, vem ao mundo, explora, queima,
bebe, toca, sente a melhor
das primaveras,
mas não te esqueças
quando explorares,
queimares
beberes, tocares ou sentires
a melhor das primaveras
que existe sempre, onde tu existes,
alguém que é igual
a ti. Alguém a quem dói também.